quarta-feira, 6 de julho de 2016

# 100 : Estação Arqueológica do Creiro


Em pleno Parque Natural da Arrábida, sobre a praia do Creiro, descobri, há alguns dias, a existência um Núcleo Arqueológico. Nem queria acreditar!! Percorro a Serra da Arrábida há mais de 20 anos e, mesmo assim, continuo a surpreender-me a cada nova visita.

Numa pesquisa pela internet, descobri que a Estação Arqueológica do Creiro foi marcada por 3 fases de ocupação:

1ª fase - Período do Alto Império romano (+/- no 3º quartel do séc. I d.C)
Durante esta fase, foram construídas a grande maioria das estruturas existentes, incluindo 9 cetárias (ou salgadeiras, 4 de planta quadrangular e 5 de planta subrectangular). As cetárias estavam revestidas por um opus signinum, como forma de impermeabilização, e as arestas eram feitas em “meia-cana” (i.e. arredondadas), de modo a se tornarem mais higiénicas.Foram construídos, ainda, armazéns, a casa do proprietário (ao lado das cetárias) e possivelmente casas dos trabalhadores, um pequeno pátio dentro da fábrica e uns balneários.
Nos finais do séc. I d.C., devido ao progressivo desenvolvimento de caráter industrial e portuário das margens do Sado, deram-se algumas remodelações no complexo industrial, de entre as quais se destaca a construção de dois tanques. Estes tanques eram menos profundos que as cetárias e o seu fundo era o pavimento do antigo pátio, o que o tornava menos impermeável. Por esta razão, acredita-se que a função dos novos tanques seria a de armazenamento de sal ou/e de peixe e não a de produção de preparados piscícolas.
O complexo viria, entretanto, a ser abandonado, até se dar a segunda fase de ocupação. 

2ª fase - Período do Baixo Império Romano (meados do séc. IV d.C.)
São feitas reparações nas estruturas, de modo a reparar os dados do abandono. É feito um novo orifício no pátio (para o escoamento das águas pluviais e provenientes das limpezas efectuadas na fábrica), um novo sistema de canalização e uma das cetárias é transformada em vazadouro.
Com o declínio do expansionismo romano e do próprio Império, o complexo volta a ser abandonado.

3ª fase - Período muçulmano Almóada



Agora que já conhece um pouco da história do do complexo fabril do Creiro, não deixe de o visitar, na próxima vez que for à praia na Serra da Arrábida.