sábado, 31 de janeiro de 2015

# 18 : #coffeenclothes

(English version below)

A Vogue publicou um artigo giríssimo sobre a hashtag do momento, #coffeenclothes, onde tenta descobrir, através da escolha do nosso café, qual o nosso estilo pessoal. As conclusões são, no mínimo, curiosas. Concordam?





--

Vogue published an awesome article sbout the most trendy hashtag, #coffeenclothes, trying to find out, through our coffee choice, which is our personal style. The findings are at least curious. Do you agree?

sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

# 17 : Sugestões para o fim-de-semana // Suggestions for the weekend

(English version below)

Por ocasião dos 70 anos sobre o fim da II Guerra Mundial, e acompanhando o Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto (27 de Janeiro), a Midas Filmes organizou um ciclo especial, com transmissões diárias, composto por três novos documentários extraordinários sobre a Grande Guerra: A Noite Cairá de André Singer (21h45); O Homem Decente de Vanessa Lapa (20h); e O Último dos Injustos de Claude Lanzmann (16h). O ciclo estende-se até 4 de Fevereiro e é acompanhado, ainda, pela reposição, em versão digital restaurada, do filme O Grande Ditador de Charles Chaplin (aos Sábados e Domingos às 11h).



  

 


No Museu Berardo, continua a exposição Uma Conversa Infinita, composta por uma seleção de livros de artista, cartazes e outras publicações da Colecção Teixeira de Freitas. A exposição ilustra o as reflexões e processos envolvidos na criação artística.




Já no Museu da Electricidade, continua a exposição Almada Negreiros: o que nunca ninguém soube que houve, com cerca de 70 obras inéditas do artista.



Se a chuva der tréguas, poderá ainda visitar a Feira do Castelo, no sábado, onde se poderá deliciar com arte, artesanato, velharias e outras actividades culturais ao som da música portuguesa. A Feira decorrerá no Largo de Santa Cruz do Castelo.




--

On the occasion of the 70th anniversary of the end of the II World War, and following the International Day of Remembrance of the Holocaust (27 January), the Midas Filmes organized a special cycle with daily transmissions, consisting of three extraordinary new documentary on the World War: Night will fall, by André Singer (21:45); The Decent Man, by Vanessa Lapa (20:00); and The Last of the Unjust, by Claude Lanzmann (16:00). The cycle extends until February 4th and is accompanied by a digital restored version of the film The Great Dictator with Charles Chaplin (on Saturdays and Sundays at 11am).
In Berardo Museum, continues to exposition Uma Conversa Infinita, consisting of a selection of artist books, posters and other publications from the Collection Teixeira de Freitas. The exhibition illustrates the reflections and processes involved in artistic creation.
In the Museum of Electricity, continued exposure Almada Negreiros: o que nunca ninguém soube que houve, with about 70 new works of the artist.
If rain stop, you can still visit the Castle Fair on Saturday, where guests can find art, crafts, flea and other cultural activities to the sound of Portuguese music. The Fair will take place at Largo Santa Cruz do Castelo.

terça-feira, 20 de janeiro de 2015

# 10 : Kaffeehaus ou a arte de bem servir um café // Kaffeehaus or the art of well serve a coffee

(English version below)

Na sexta-feira fui jantar ao Kaffeehaus, enquanto esperada pelas 23h para assistir à peça As Ondas, no Teatro Municipal São Luiz. Embora nunca tenha ido a Viena, o Kaffeehaus é tudo aquilo que imagino na capital austríaca: um restaurante giríssimo, com um ambiente fantástico, super descontraído e, ao mesmo tempo, impecável! 
Provei o filete de bacalhau fresco em polme de cerveja de trigo acompanhado de batatas miúdas no forno, salsa de tomate e maionese de alho e coentros. Estava delicioso! No final, pedi um café, com uma tarte de framboesa. Para meu deleite, o café veio genialmente bem servido: um café curto e forte, apesar da chávena larga, acompanhado por um copo de água, numa pequena travessa. 
Como já tinha discutido antes, um copo de água é essencial para um café. Mas, infelizmente, está a ser difícil que se perceba isso em Portugal. O Kaffeehaus é um dos poucos espaços que, inteligentemente, o sabem e o praticam, bem ao estilo austríaco. Estão de parabéns!




--

On Friday I went to dinner at the Kaffeehaus, waiting for the 11pm to see the play The Waves, in São Luiz Municipal Theatre. Although I had never gone to Vienna, the Kaffeehaus is all that I imagine in the Austrian capital: one fancy restaurant with a fantastic atmosphere, super relaxed and, at the same time, impeccable!
I ordered the fresh cod fillet in wheat beer battered accompanied by fine potatoes in the oven, salsa of tomato and mayonnaise garlic and coriander. It was delicious! In the end, I ordered a coffee, with a raspberry pie. To my delight, the coffee came brilliantly well served: a short strong coffee, despite the large cup, accompanied by a glass of water.
As I argued before, a glass of water is essential for a coffee. But, unfortunately, it is being difficult to Portugal realize that. The Kaffeehaus is one of the few places that intelligently know it and practice it, like in the Austrian style. They are to be congratulated!

sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

# 9 : Why I love Portugal - part I

(English version below)

No último domingo, dia 11 de Janeiro, aproveitei o sol radioso que estava no céu para almoçar na varanda. Preparei tudo e sentei-me, ao sol, enquanto comia uma quiche e esta tarte e lia a Vogue. A certa altura, comecei a ficar com tanto calor que tive de tirar o casaco e ficar de t-shirt. 

Era 11 de Janeiro, no pico do Inverno, e eu estava de t-shirt a almoçar na varanda, como se fosse um belo dia de Primavera ou Verão. Poucos países no mundo nos dão esta oportunidade e esta qualidade de vida. Poucos países têm tanto sol e tanta luz. É por isso eu que adoro viver em Portugal!!





--

Last Sunday, 11 January, I took the radiant sun for lunch on the balcony. I prepared everything and sat looking at the sun, while eating a quiche and this pie and reading Vogue. At one point, It got so warm that I had to take off my coat and stay t -shirt.

It was January 11, at the peak of winter, and on the balcony wearing a t-shirt, like in a beautiful day of spring or summer. Few countries in the world give us this opportunity and this quality of living. Few countries have so much sun and so much light. That's why I love to live in Portugal!!


segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

# 6 : Tarte folhada de pêras bêbedas // Puff tart of drunk pears

(English version below)

Tinha uma massa folhada descongelada e não sabia bem o que lhe fazer. Como andava cheia de saudades de Pêras Bêbedas, uma das minhas sobremesas favoritas, decidi inventar e criar uma tarte folhada de pêras bêbedas. Ficou tão boa, mas tão boa, que acho que a vou repetir um montão de vezes. 

Tarte folhada de pêras bêbedas

1 massa folhada
4 pêras rochas (só usei quatro porque a forma é pequena)
3 colheres de sopa de mel
2 paus de canela
+/- 400dl vinho tinto
amêndoas laminadas (opcional)

Leve o vinho ao lume com os paus de canela e o mel e deixe levantar fervura. Adicione as pêras em laminas e reduza o lume, deixando as pêras cozerem lentamente e o caldo ganhar espessura. 
Pré-aqueça o forno a 180ºC. Entretanto, estenda a massa e coloque na forma. Pique o fundo com um garfo e deixe repousar. Quando as pêras estiverem semi-cozidas e o caldo estiver cremoso, retire do lume e deixe arrefecer ligeiramente (+/- 5min). Despeje o caldo e as pêras (retirando os paus de canela) sobre a massa e polvilhe com as amêndoas. Leve ao forno até a massa estar dourada e as amêndoas torradas.





--

I had a puff pastry thawed and I did not know what to do with it. As I was having a desire for Drunk Pears, one of my favorite portuguese desserts, I decided to create a puff tart of drunk pears. It was so good, but so good that I think I will repeat it a lot of times.

Puff tart of drunk pears

1 puff pastry
4 pears (I only four used because the shape is small)
3 tablespoons honey
2 cinnamon sticks
+/- 400dl red wine
flaked almonds (optional)

Take the wine to the boil with the sticks of cinnamon and honey. Add the pears in blades and reduce the heat, leaving the pears to bake slowly.
Preheat the oven to 180ºC. Extend the pastry and put it in shape. Pink the background with a fork and let stand. When the pears are semi-cooked and the broth is creamy, remove from heat and let it cool slightly (+/- 5min). Pour the broth and pears (removing the cinnamon sticks) over the pastry and sprinkle with almonds. Bake until the pastry is golden and the almonds get toasted.

sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

# 5 : Sugestões para o fim-de-semana // Suggestions for the weekend

(English version below)

O ano novo traz sempre imensas novidades a Lisboa. No Museu da Electricidade, podemos ver a exposição Almada Negreiros: o que nunca ninguém soube que houve, com cerca de 70 obras inéditas do artista.



O CCB apresenta uma agenda riquíssima, que começa hoje, na garagem Sul, com a estreia da exposição Homeland, News from Portugal, com a representação oficial portuguesa na 14.ª Exposição Internacional de Arquitectura da Bienal de Veneza, comissariada por Pedro Campos Costa.


No sábado, temos mais uma edição do Mercado do CCB, recheada de antiguidades, velharias, objectos contemporâneos e comida. 


E por último, no Domingo, o Grande Auditório do CCB recebe o Concerto de Inverno da Orquestra Sinfónica Portuguesa, dirigido por Joana Carneiro.


--

The new year always brings lots of new features to Lisbon. At the Museum of Electricity, we can see the exhibition Almada Negreiros : what no one knew what happened, with about 70 works of the artist.
The CCB has a rich agenda, which begins today, in South garage, with the debut of Homeland, News from Portugal, with the Portuguese official representation at the 14th International Architecture Exhibition of the Venice Biennale, curated by Pedro Campos Costa.
On Saturday, we have another edition of CCB Market, filled with antiques, flea, contemporary objects and food.
Finally, on Sunday, the Grand Auditorium of the CCB receives the Winter Concert of the Symphony Portuguese Orchestra, directed by Joana Carneiro .

quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

# 4 : A melhor receita da minha mãe // My mother's best dish

(English version below)

Poucos pratos me fazem sentir tão feliz como o farfalle com natas, frango e ervilhas que a minha mãe nos fazia quando éramos pequenos. Posso comer este prato todas as semanas, várias vezes por semana, sem nunca me fartar. 
Como a minha mãe não gosta nada de "perder tempo na cozinha", é perita em criar pratos deliciosos em 10 minutos. Uma das suas especialidades são os pratos de massas com natas, sempre fantásticos e deliciosos. Nunca falham. O meu favorito era o prato de lacinhos com natas, frango e ervilhas. Mas simples não há: apenas quatro ingredientes e um sabor único, tão quente e confortável que me faz sentir sempre em casa, cheia de saudades da minha infância. 
Quando comecei a viver sozinha, tentei melhorá-lo: fazer um refogado primeiro, ou usar ervilhas frescas em vez das ervilhas de lata. Até experimentei reproduzi o mesmo prato com outras massas. Mas rapidamente percebi que só estava a estragar-lo. É muito melhor do jeito que a minha mãe o faz...


--

Few dishes make me feel as happy as the farfalle with cream, chicken and peas that my mother made us when we were little. I can eat this dish every week, several times a week.
As my mother does not like to "waste time in the kitchen", she is an expert creating delicious dishes in 10 minutes. One of its specialties are the pasta dishes with cream, always fantastic and delicious. It never fails. My favorite was the dish of farfalle with cream, chicken and peas. Nothing is more simple: just four ingredients and a unique flavor, so warm and comfortable that always makes me feel at home, missing for my childhood.
When I started living alone, I tried to improve it: making a stew first or using fresh peas instead of the peas in a can. I even experienced play the same dish with other kind of pasta. But I quickly realized that I was just ruin it. It's much better the way my mother does ...

segunda-feira, 5 de janeiro de 2015

# 3 : 2015 Bucket List

(English version below)

Só quando um grande amigo meu me disse que ia sair de Lisboa e voltar a morar na sua terra, é que me apercebi de quantas coisas temos para fazer em Lisboa e que nunca fazemos. Como achamos que temos sempre imenso tempo, acabamos por adiar imensos programas e visitas, que depois acabam por nunca acontecer. 
Em modo de despedida, fizemos uma Bucket List de tudo aquilo que lhe faltava fazer em Lisboa. Foi assim que, nos seus últimos dias no continente, fomos experimentar os croissants e os palmiers do Careca e que fomos jantar ao Pastel do Fado, para uma noite de fado ao vivo. Tudo o que ficou pro fazer, ficou agendado para futuras visitas. 
Olhando para estes meus anos em Lisboa, percebi que também eu andei a adiar imensa coisa. Decida a acabar com isso, decidi criar uma Bucket List para este ano, com algumas das coisas que me falta fazer ou experimentar em Lisboa e arredores. Quero acabar o ano com tudo cumprido!!




1. Conhecer a Quinta da Regaleira, em Sintra.

2. Visitar a Praia do Guincho.

3. Jantar num dos restaurantes com estrela Michelin que temos na cidade.

4. Conhecer o Bairro da Bica.

5. Visitar o renovado Largo do Intendente.

6. Fazer compras nos dos mercados tradicionais da cidade.

7. Visitar todas as exposições que me interessarem, sem deixar para o último dia.

8. Visitar a Casa da Mariquinhas.

9. Visitar o Museu do Azulejo.

10. Fazer um picnic no Parque Eduardo VII.

11. Conhecer os trilhos de Monsanto.

12. Percorrer uma das ciclovias da cidade.

--

Only when a good friend of mine told me he was going to leave Lisbon and go back to live in their own land, that I realized how many things we have to do in Lisbon and never do. We think we have always a lot of time, so we defer a lot of programs and visits, which then end up never happen.
Before he leave Lisbon, we made a bucket list of all that he was missing do in Lisbon. That was how, in his last days, we tasted the croissants and palmiers of Careca and we went to dinner at Pastel do Fado, for an evening of live Fado.
Looking at my years in Lisbon, I realized that I also walked to postpone huge things. Decided the end it, I decided to create a bucket list for this year, with some of the things I lack do or experience in Lisbon and surroundings. I want to end the year with all met!!

1. Visit Quinta da Regaleira in Sintra.

2. Visit the Guincho beach.

3. Dinner at a Michelin-starred restaurants we have in the city.

4. Visit the Bica neighberhood.

5. Visit the renovated Intendente square.

6. Shopping in the traditional markets of the city.

7. Visit all the exhibits that interest me, without living it for the last day.

8. Visit the Casa da Mariquinhas.

9. Visit the Tile Museum.

10. Make a picnic in the Eduardo VII park.

11. Trail in Monsanto.

12. Scroll through the city's bike paths.


sexta-feira, 2 de janeiro de 2015

# 2 : Passagem de ano // New Year's Eve

(English version below)

Desta vez, escolhi passar o ano numa aldeia no interior de Portugal, numa casa de xisto recuperada. Escolhi a aldeia de Pardieiros Fundeiros, uma aldeia quase desabitada em Penela. 
A casa era espectacular: super gira e acolhedora, o que nos proporcionou uma noite fabulosa. De manhã, fazia tanto frio lá fora que estava tudo branco, coberto de gelo. Parecia um conto de fadas.

Dizem que devemos estrear o ano como o queremos viver. É por isso que escolho sempre passar de ano assim: adoro entrar no novo ano de modo alegre e descontraído, com um bom grupo de amigos, perdidos numa aldeia do país. Haverá melhor programa?











--

This time, I chose to spend the New Year's Eve in a village in the interior of Portugal, in a recovered shale house. I chose the village of Pardieiros Fundeiros, an almost uninhabited village in Penela.
The house was spectacular: super cute and cozy, which gave us a fabulous night. In the morning, it was so cold out there it was all white, covered in ice. It looked like a fairy tale.

We are told to debut the year as we want to live it. That's why I choose always pass the New Year's Eve this way: I love into the new year in happy and relaxed way, with a good group of friends, lost in a village in the country side. Could I choose a better program?