domingo, 22 de setembro de 2013

# 160 : Fado

(English version below)

Ontem escutei Fado ao vivo pela primeira vez. Conhecia Mariza, Amália e Ana Moura da rádio e da televisão. Gostava do que ouvia e até cantarolava, mas nunca tinha passado disso: de uma excelente música portuguesa, a canção do nosso povo. Mas só ontem, no Caixa Alfama, percebi o que era o Fado: um sentimento, um choro, a nossa alma.
Em plena Alfama, junto ao rio, a Raquel Tavares deixou-me em lágrimas. Com uma voz sublime, o Fado saía-lhe da alma, do fundo do coração. Era como se lhe corresse nas veias. Como se não o contivesse, como se fosse uma força que não conseguia guardar dentro de si. Fiquei rendida, chorando incessantemente. Finalmente compreendi. O Fado é lindo, é maravilhoso, um sentimento indescritível, é uma dor doce e arrebatadora.

Raquel Tavares em palco, by Mr. JC



No fim, o António Zambujo foi um deleite, um encanto. Com uma voz tão doce e um sorriso maravilhoso, o António Zambujo representa um outro fado, alegre e igualmente sentido. Canta-o com uma enorme simplicidade, como se falasse num bar, contando os seus dias aos amigos. É fabuloso. 

Agora que o descobri, o Fado faz, finalmente, parte de mim. Agora que o senti, nunca mais o vou largar...

--

Saturday I heard Fado live for the first time. I knew Mariza, Amalia and Ana Moura by radio and television. I liked what I heard and even hummed, but  for me it was just an excellent Portuguese music, the song of our people. But just yesterday, in Caixa Alfama, I realized what was Fado: a feeling, a cry, our soul.
In Alfama, next to the river, Raquel Tavares left me in tears. With a sublime voice, Fado left her soul, from the heart. It was as if it ran in her veins. As if she could not contained it, as if it were a force that she could not keep inside. I surrendered, crying incessantly. I finally understood. Fado is beautiful, it's wonderful, an indescribable feeling, a sweet and ravishing pain.
In the end, Antonio Zambujo was a treat, a delight. With a sweet voice and a wonderful smile, António Zambujo represents another fado, happy and also sense. He sing it with tremendous simplicity, as if he was talking in a bar, describing his days to friends. It is fabulous.

Now that I discovered, Fado is finally part of me. Now I felt it, I will never leave it...